Sábado
25 de Junho de 2022 - 
Tradição na área cível, empresarial, previdenciária e administrativa. Sempre com os melhores e mais atualizados profissionais do mercado.
Endereço: Av. Franklin Roosevelt nº 39, Grupo 1003 - Centro - Rio de Janeiro - RJ - tels: (21) 2532-3139

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,23 5,23
EURO 5,51 5,52

Newsletter

Últimas notícias

Representante do CNJ detalha semana de visitas aos Escritórios Sociais

                                    Reunião realizada no Fórum Central debate os planos da missão de monitoramento dos Escritórios Sociais  Em reuniões realizadas nesta segunda-feira (23/05) no Fórum Central, o coordenador nacional de Cidadania nas Prisões e Atenção às Pessoas Egressas do Programa Fazendo Justiça,, apresentou ao Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMF) do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) e à secretária de Estado de Administração Penitenciária Maria Rosa Lo Duca Nebel os planos da missão de monitoramento dos Escritórios Sociais. As atividades serão realizadas durante toda a semana no Rio de Janeiro, Niterói e Maricá. O Fazendo Justiça é uma parceria entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Programa das Nações Unidas (ONU) para o Desenvolvimento, com apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública, a partir do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).  De acordo com Athayde, o monitoramento não é uma inspeção, e sim uma oportunidade para conhecer, debater e aprimorar práticas e serviços dos Escritórios Sociais. Atualmente, são 35 Escritórios Sociais, em 22  estados brasileiros. "Um dos desafios das políticas para pessoas egressas do sistema penal é executar as políticas elaboradas, então as visitas são um momento fundamental para consolidar os Escritórios. O foco dos nossos encontros é o aprendizado, alinhando todos os escritórios às diretrizes nacionais", disse.   O Rio de Janeiro conta, no momento, com duas unidades: uma em Maricá, outra em Niterói, ambas referências. O juiz auxiliar da 2ª Vice-Presidência Marcelo Oliveira recordou o passado como capital federal do Rio de Janeiro para defender a criação de mais um polo, que será implementado em Bangu, na Zona Oeste da cidade, e local do Complexo Penitenciário. Das 47 unidades prisionais do estado do Rio, 33 estão na Capital, o que gera a necessidade de um atendimento para a população dessa região.  "Precisamos atender a população do Rio de Janeiro e da Baixada fluminense, e certamente a população desses locais se voltará aos Escritórios. Estender essa proteção é um ganho, um movimento importante, e com soluções criativas é possível superar os desafios", afirmou.   Participaram do primeiro encontro o juiz da Vara de Execuções Penais Marcello Rubioli; Luciana Simas e Mariana Leiras, do Programa Fazendo Justiça.   Na segunda reunião com a secretária Maria Rosa Nebel, o juiz Marcelo Oliveira ressaltou que a ideia dos escritórios sociais é o acompanhamento e encaminhamento dos pré-egressos(aqueles com previsão de sair em seis meses do sistema penitenciário) e egressos e, por isso, seria importante a participação da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) no projeto. “A gente poderia pensar uma estruturação dentro da própria Secretaria para gerir essa política”, completou o coordenador do Programa Fazendo Justiça Felipe Athayde, acrescentando que o ideal seria criar um setor específico dentro da Seap para coordenar a política estadual de atenção a pessoas egressas como existe, hoje, em Minas Gerais, em São Paulo e outros estados. JGP/MB Foto: Felipe Cavalcanti/TJRJ
23/05/2022 (00:00)
Visitas no site:  73880
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.